A beleza Plus Size

A grande dificuldade de quem veste uma numeração grande é encontrar algo que vista a sua autoestima.  E a ausência de autoestima muitas vezes está ligada a um padrão imposto pela sociedade, também pela escassez nas modelagens e falta de informação de moda (roupas que não valorizam as formas, sem detalhes e sem personalidade).

É inconcebível que em shoppings metropolitanos com mais de quatrocentas lojas, não haja opções para quem vista manequins acima de 46, enquanto a  realidade aponta que 58% das mulheres brasileiras estão acima do peso, segundo a revista científica, The Lancet.  Esses dados, já desatualizados, se referem às mulheres.  Imagina homens e mulheres?

A ditadura das magras, caráter em que as grifes disputam o reconhecimento de suas marcas, anda na contramão da coletividade onde o comportamento deveria sinalizar que o mundo mudou. Incoerentemente o slogan atual de que na moda não existe regras, algo que deveria acompanhar o pensamento sob todos os aspectos, contrapõe ao modelo engessado percebido por todos.

Felizmente, existem situações que a abertura já se faz presente em alguns lugares, como nos Estados Unidos.  É lá que alguns brasileiros com maior poder aquisitivo faz as suas compras. Outro modo, a internet.

O mercado plus size movimenta bilhões de reais por ano – só no Brasil. Portanto, está mais do que na hora dos estilistas de grandes marcas e dos profissionais de moda responsáveis por lançar tendências, se apropriem dos dados disponíveis para representar a realidade. Afinal, moda é a reprodução de seu tempo. Importante que haja legitimidade para sua credibilidade.

Vai aí uma crítica construtiva, talvez a galinha dos ovos de ouro que falta nesse cardápio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!