Minimalismo

O minimalismo, mais do que um estilo pessoal é um estilo de vida.

Muitas pessoas já vêm fazendo esse movimento pelo mundo para minimizar os efeitos acumulatórios  que trazem desordem e desequilíbrio em seu dia a dia. Hoje, o “chique” é o desapego, é viver em harmonia com o que realmente é necessário.

Há vários documentários como o “Minimalismo: um documentário sobre as coisas que importam”, também o conceito de organização da japonesa Marie Kondo disponibilizada na Netflix e, outros meios de comunicação que permeiam essa área com muita tenacidade. O tema vem ganhando espaço, porque muitas vezes o consumo desenfreado está ligado às questões psicológicas denotando uma compulsão, conforme estudos. Há de se pensar sobre todos os aspectos e considerar mudanças que proporcione o bem estar a cada um, em particular, sem julgamentos ou preconceitos.

Na consultoria de imagem os profissionais trabalham com armários-cápsula e malas-cápsula, dentre outras funções. Essa técnica consiste em agrupar poucas peças criando várias combinações sem precisar de nada novo, ou seja, coordenando as peças curinga com três a cinco peças e alguns acessórios coloridos possibilitando assim a pluralidade dos looks por estação, para ambos os sexos. É a concepção da praticidade, da funcionalidade com criatividade. O viés do menos é mais.

Historicamente o minimalismo nasceu antes de Cristo, mas o conceito surgiu no campo das artes na década de 60.  Ele é o reflexo do movimento contracultural, liberal, questionador. Entretanto, o minimalismo como expressão comportamental difere da “sociedade alternativa” inspirado nos anos anteriores, pois ele busca combater o sistema consumista com mais maturidade e consciência, sem radicalismo.

Segundo a escritora americana, Francine  Jay: “Quando não somos dependentes das coisas ou não somos mais definidos pelo o que possuímos nossos potenciais e possibilidades são ilimitados”.

As francesas, símbolos da elegância mundial há muito aderiram ao movimento, sinal de que a elegância vai muito além do que o comércio nos impõe.

Para refletir.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!